Por que tenho que ir ao fisioterapeuta?

Oi, eu sou Adrià, fisioterapeuta especializado em CrossFit e, neste artigo, vamos esclarecer algumas das dúvidas que podem surgir quando se vai ao fisioterapeuta.

Ao longo do meu tempo no CrossFit, vi vários atletas que não encontraram uma maneira de progredir com suas lesões, tendo que limitar sua atividade esportiva e, em alguns casos, tendo que desistir completamente da atividade esportiva.

O que poderia ter dado errado na maioria desses casos?

Eles provavelmente não receberam atendimento compatível com suas necessidades e, por falta de conhecimento, não procuraram o fisioterapeuta quando necessário.

A seguir, mencionaremos as principais dúvidas que você geralmente tem quando se trata de ir ao fisioterapeuta, bem como as "desculpas" que geralmente são dadas para não ir, e tentaremos respondê-las da forma mais simples possível para que, quando chegar a hora, você tenha informações suficientes para tomar uma decisão.

Vamos continuar com isso,

Quais são as dúvidas ou "desculpas" mais comuns ao ir ao fisioterapeuta?

A primeira dúvida mais comum e mais comum que surge é:

Como posso saber se devo ir a um fisioterapeuta?

Em geral, eu recomendaria ir ao fisioterapeuta se notarmos dor ou desconforto que não melhora em 2 a 3 dias e que condiciona ou limita nossa atividade esportiva ou até mesmo as atividades do dia a dia. Outros pontos importantes que seriam motivo suficiente para ir ao fisioterapeuta seriam:
- Dor que aumenta ou persiste durante o treinamento
- Dor que melhora com o aquecimento, mas retorna no final do treinamento ou ao movimentar cargas elevadas.
- Dor persistente e noturna ou dor que dificulta o sono
- Perda de mobilidade
- Perda de força em determinadas amplitudes de movimento

Por outro lado, devemos deixar claro que DOR ≠ PREJUÍZO.

Esse é um tópico para vários postagensporque a dor é um processo bastante complexo. Hoje vamos nos ater a esses pontos:

  • A dor é entendida como uma experiência As informações do próprio paciente são o resultado das informações que ele recebe de seus tecidos e do processamento que ele realiza (levando em conta crenças, experiências, etc.).
  • A dor é processada em nosso cérebro.
  • Existem vários tipos de dor: as mais frequentes no esporte geralmente são aquelas causadas por um ENTRADA (nociceptiva ou neuropática periférica).
  • Esse INPUT pode ser um lesão estrutural (ruptura muscular, entorse, ...), ou que os receptores em determinados tecidos foram estimulados acima do limiar de ativação. O corpo percebe isso como algo potencialmente perigoso para nossa integridade, dando como resposta a sensação de dor.
  • Dessa forma, devemos entender a dor como uma resposta de nosso sistema a nos proteger em caso de lesão (ou, pelo menos, nosso cérebro o interpreta como tal) ou exposição ao perigo. O que conhecemos como percepção de ameaças.
  • Portanto, podemos sentir dor na presença, ou não, de lesão.

Portanto, se nos encontrarmos em uma situação como a descrita acima, o fisioterapeuta será o profissional de saúde que melhor poderá nos avaliar, tratar e aconselhar. Dessa forma, poderemos saber se a dor se deve a uma lesão real em qualquer um de nossos tecidos (músculo, tendão, ligamento, etc.) ou se é porque estamos colocando muito estresse em algum deles.

A abordagem do problema varia de caso para caso. Se houver uma lesão estrutural, teremos de levar em conta o tempo de recuperação do tecido durante o tratamento. Se não houver lesão, teremos de descobrir o que está causando o disparo dos alarmes e resolvê-lo para evitar lesões ou diminuir as chances de isso acontecer.

Trabalhando no forçao mobilidadeadaptar o encargos além de transmitir ao paciente o informações A capacidade de entender o problema e de resolvê-lo são algumas das ferramentas mais poderosas que o fisioterapeuta pode usar nesses casos.

Como conselho, eu sempre recomendo que você procure um fisioterapeuta que tenha experiência em seu esporte, neste caso o CrossFit. É importante que ele conheça as exigências dessa modalidade, os gestos, os movimentos, a metodologia de treinamento, ... Dessa forma, ele o entenderá melhor, saberá interpretar o que está acontecendo e como poderá ajudá-lo.

A essa altura, alguns de vocês podem estar se perguntando:

Tenho dores que desaparecem após o exercício ou em alguns dias.

Por que isso acontece e devo me preocupar? Nesses casos, geralmente temos duas situações:

  1. Dor ou desconforto durante o treinamento.
  2. Dor ou desconforto pós-treino.

Vamos tentar ganhar pontos,

1. durante o treinamento:

Essa sensação de dor é causada, em grande parte, pela compressão dos receptores nervosos e de outros tecidos, como os vasos sanguíneos, devido ao aumento do volume muscular nas áreas que estamos trabalhando à medida que acumulamos mais sangue. (geralmente nos referimos a essa situação como "congestionamento").

Assim que paramos de nos exercitar, tudo começa a voltar ao seu estado basal (normalidade).

Para dar um exemplo, seria aquela sensação de queimação e/ou pressão que sentimos nas coxas durante as últimas repetições do backsquat ou nos bíceps quando terminamos os 100 pull ups do Murph.

Além disso, podemos usar essa sensação para ajustar e controlar o exercício ou a carga de treinamento. Para essa finalidade, existe o EPR o Taxa de percepção de esforçoEm uma escala de 1 a 10, em que 1-4 seria um esforço muito leve e nós iríamos até 10, o que significaria um esforço máximo.

Nesse caso, lembre-se de que não é aconselhável treinar sempre com sensações próximas a 10. Planeje bem suas sessões e selecione o nível de intensidade de acordo com suas capacidades e objetivos.

2. Pós-treinamento:

A presença de dor durante o treinamento pode ser considerada "normal" se falarmos de dor tolerável.

Geralmente é descrita como uma dor que, na escala de dor de 0 a 10, fica em torno de 3 a 4, o que pode ser descrito mais como um incômodo.

O caso mais comum é o aparecimento de DOMS (Dor muscular de início retardado) ou mais conhecido como "cadarços"Os sintomas geralmente são acompanhados por um aumento ou pico de desconforto entre 48h e 72h. Durante esse intervalo de tempo, é importante controlar a carga de treinamento para permitir que nosso corpo se recupere adequadamente.

Podemos nos referir, por exemplo, à dor que podemos sentir no quadríceps após um treinamento de alta repetição de costas pesadassquat ou ao desconforto nos músculos lombares/coxas no dia seguinte a uma sessão de treinamento. levantamento terra.

Esse tipo de dor aparece quando realizamos movimentos que ainda não controlamos ou quando movemos cargas/volumes além de nossas capacidades. Isso é necessário para gerar adaptações em nossos tecidos que nos permitirão tolerar essas cargas, volumes e movimentos no futuro.

O aparecimento de rigidez não significa que causamos uma lesão (por exemplo, rigidez na região lombar após o levantamento terra). Mas pode ser um sinal de que exageramos na carga, que nosso corpo ainda não está preparado para ela.

Nesses casos, não é nada aconselhável ficar sempre dolorido o tempo todo. Planeje bem seus treinos e permita que seu corpo se recupere bem de cada sessão. Se elas aparecerem, não se assuste, apenas fique atento a elas e aja de acordo (reduza a carga, mude o tipo de treinamento, ...).

Afinal de contas,

Podemos ter dor com ou sem lesão, portanto, um bom diagnóstico e uma boa avaliação por um fisioterapeuta são muito importantes. Sentir dor é normal e faz parte dos mecanismos que nosso corpo tem para nos proteger contra uma ameaça; se soubermos por que ela ocorre e agirmos de acordo, poderemos resolvê-la.

Devemos ser capazes de diferenciar os diferentes tipos de dor e os contextos em que elas ocorrem. Dor de "rigidez" não é o mesmo que dor constante ao fazer determinados movimentos. Cada uma delas terá um prognóstico e uma abordagem diferentes.

Em ambos os casos, no entanto, é aconselhável contar com a ajuda de um profissional que saiba como orientá-lo. Em um primeiro momento, na presença de dor, o fisioterapeuta será o mais adequado. Ele poderá descartar a possibilidade de se tratar de algo grave e tratar o problema da melhor maneira possível.

Posteriormente, o mesmo fisioterapeuta, se ele for treinado em treinamento, ou o treinador, serão figuras com as quais podemos contar para continuar melhorando e saber que estamos fazendo as coisas corretamente.

É muito caro?

No mundo da saúde, os fisioterapeutas, como profissionais do setor, geralmente não estão entre os mais bem pagos. Podemos discutir as razões para isso, mas é um fato.

Dito isso, quando você vai a um fisioterapeuta, está consultando um profissional de saúde que vai ouvi-lo, avaliá-lo e tentar entender o que está acontecendo com você para lhe oferecer o melhor tratamento e as melhores ferramentas disponíveis. Tudo isso para que você possa se recuperar da dor ou da lesão o mais rápido possível e com garantias.

Para isso, não se trata apenas dos 30 ou 60 minutos de sessões presenciais. Há um trabalho "extra" que fazemos em outros momentos em que revisamos o histórico clínico e o tratamento, monitoramos a evolução, buscamos informações e planejamos as fases de recuperação. Além disso, estamos disponíveis para responder a perguntas e fornecer conhecimentos essenciais ao paciente para que ele tenha ferramentas úteis para ajudá-lo a lidar com o problema.

Fisioterapeutasem geral, estamos entre aqueles que damos mais importância ao fato de nos mantermos atualizados e gastamos mais tempo e dinheiro em treinamento. É uma profissão em constante evolução e a maioria de nós, talvez por causa da mesma vocação, tenta não ficar para trás.

fisioterapia crossfit

Devido à evolução e ao crescimento constantes, a fisioterapia está se distanciando da estrutura mais tradicional de apenas o uso de maca e massagem com uma abordagem estrutural e mecanicista, para a estrutura de raciocínio clínico, abordagem biopsicossocial e o uso do exercício como uma ferramenta muito poderosa, sem esquecer outras técnicas da profissão, como a terapia manual.

Como em todas as profissões e serviços, há uma chance de você conhecer alguém que não atenda às suas expectativas. Para tentar evitar isso:

  • Verifique se o fisioterapeuta é registrado.
  • Peça informações e referências.
  • Confira o site e as redes sociais da empresa para ter uma ideia do que você encontrará e se é adequado para você.

Para ser um pouco mais diretoQuanto dinheiro você pode gastar em joelheiras, suplementos, acessórios, terapias alternativas e um longo etc. para tentar melhorar a dor, a mobilidade ou o desconforto? Seja muito pouco ou muito, é muito, pois não vai mudar substancialmente sua situação.

Consultar um fisioterapeuta dentro do prazo você economizará tempo e dinheiro.

Devo me alongar mais para evitar lesões?

Atualmente, sabemos que o alongamento não tem um impacto significativo no aumento das capacidades físicas ou nos indicadores gerais de saúde.

Além disso, em alguns casos, recomenda-se não alongar porque isso pode influenciar negativamente o desempenho ou até mesmo aumentar o risco de lesões em esportes que exigem certo grau de rigidez (ou "stiffness").rigidez"), como é o caso do CrossFit ou de outros esportes, como futebol, basquete, ...

Por outro lado, em outros esportes, como patinação artística ou balé, o alongamento pode ser útil, pois essas modalidades exigem muita flexibilidade. O contexto é fundamental.

De acordo com a intenção de melhorar nosso estado de "condicionamento físicoHá outras capacidades que de fato trazem benefícios importantes para nossa saúde, como a "saúde do corpo". treinamento de forçaEles podem ser usados para manter e melhorar a flexibilidade ou a mobilidade, se for isso que você está procurando.

Na presença de dor, muitas vezes cometemos o erro de relacioná-la diretamente à falta de mobilidade ou flexibilidade, quando esses são fatores secundários. Outros fatores, como a progressão da carga, as adaptações que fazemos a ela ou o repouso, são muito mais importantes e não damos tanta atenção a eles.

Para melhorar essa mobilidade ou flexibilidade, decidimos nos alongar, mas devemos ter em mente que:

  • Para melhorar a mobilidade, o alongamento passivo não são os mais adequados.
  • Em certas lesões, como tendinopatias (tão frequentes no CrossFit), o alongamento é contraindicado.
  • A mobilidade é a capacidade de aplicar força em uma determinada posição e não apenas a capacidade de chegar a essa posição.

Por esses motivos, é importante que um fisioterapeuta avalie sua situação para determinar as causas e possa orientá-lo quanto aos exercícios que deve fazer e que terão um impacto positivo no desenvolvimento de sua lesão ou dor. Se precisar melhorar sua mobilidade, você terá as ferramentas certas para isso.

Se eu descansar por alguns dias, vou melhorar?

Não, descansar abandonando qualquer atividade física ou esportiva não fará com que você se recupere mais rapidamente. O descanso bem planejado é essencial em qualquer programa de treinamento, mas para melhorar nossos problemas físicos, o descanso total não será uma boa opção.

Uma vez determinadas as possíveis causas de sua dor ou lesão, o trabalho ativo deve ser planejado com o objetivo de recuperar e melhorar as capacidades necessárias (força, controle, mobilidade, etc.). Se houver uma lesão em algum tecido, respeite seu tempo de cicatrização.

Devemos entender a recuperação do prejuízo como a treinamento na presença de dor ou lesão.

É provável que o repouso melhore os sintomas, basicamente porque estaremos diminuindo as demandas sobre os tecidos e eles receberão menos estresse, estimulando menos receptores que nos informam sobre estímulos potencialmente perigosos.

descansar curar a lesão
o repouso geralmente não cura a lesão

Em outras palavras, se sentirmos dor quando levantamos "X" quilos ou quando pulamos ou fazemos alguma atividade metabólica, como remar, no momento em que pararmos de fazê-la, não estimularemos mais os receptores nos tecidos envolvidos nessas atividades acima dos limiares que desencadeiam a percepção da dor.

Por outro lado, é importante lembrar que períodos prolongados de descanso ou inatividade também diminuem sua tolerância à carga. Portanto, se após alguns dias de descanso nos sentirmos melhor e decidirmos voltar a treinar, provavelmente sentiremos dor novamente e correremos o risco de piorar a situação.

Nesses casos, o fisioterapeuta o ajudará a adaptar os exercícios para continuar sua atividade esportiva, se possível, controlar a carga e levar em conta o que é necessário para garantir seu retorno ao esporte.

Eu me machuquei por causa de uma técnica ruim?

Outra suposição improvável. Embora seja verdade que os movimentos são ensinados com uma técnica específica e pelo cumprimento de determinados pontos, também sabemos que todo exercício tem um espectro de possibilidades a serem executadas, e todas elas podem estar corretas.

Cada pessoa tem uma anatomia e padrões de movimento diferentes (estratégias motoras) que configurará um movimento exclusivo para cada exercício. Com isso, Não quero dizer que vale tudoSimplesmente porque não há uma única maneira de fazer os exercícios e devemos levar em conta o fato de que há variações em cada pessoa.

Quantas maneiras diferentes de fazer um limpoQuantas pegadas, levantamentos terra ou até mesmo flexões diferentes podemos ver nos atletas? Bem, muitas pegadas diferentes, configurações diferentes, ... e todas elas são "boas".

Cada pessoa se moverá da maneira mais eficiente que seu sistema criar ou da maneira como ele responder a determinados estímulos. Isso mudará com o tempo, o sistema aprenderá e criará novos padrões de movimento e estratégias mais eficientes.

Sua técnica em limpo É a mesma coisa agora que era no primeiro dia de aula?

Essa forma de entender o movimento na fisioterapia nos permite saber se a técnica de execução do exercício pode estar desempenhando um papel importante na evolução da dor ou da lesão.

Por fim, há indicações de que uma atitude perfeccionista dos atletas em relação à técnica de desempenho pode levar a um maior risco de lesão. Isso provavelmente ocorre porque ela leva a uma atitude de hipervigilância (eles estão muito atentos e concentrados na postura), acrescenta estresse (pior recuperação) e distorce o foco de atenção (piora o desempenho do exercício).

Não se sinta sobrecarregado se seu roubo não é semelhante ao que eles fazem nas Olimpíadas. Se não doer, se você se sentir confortável o suficiente e mantiver os padrões mínimos do movimento, continue trabalhando. Com o tempo, você aprimorará suas estratégias motoras para esse movimento específico e se tornará cada vez mais eficiente.

Controle a carga y realizar trabalhos técnicos para mecanizar o movimento e aprimorá-lo.

Mas, como eu disse no início, Nem tudo é válido! Se, por outro lado, você se sentir desconfortável, o movimento for aberrante e você não mantiver o mesmo movimento ao longo do tempo (durante todo o treinamento), é melhor procurar alternativas ou regressões do exercício para trabalhar a base antes de passar para movimentos complexos.

Preciso fazer mais exercícios "corretivos"?

Pensar que a dor é causada apenas por descompensação, má postura ou falta de mobilidade e que a solução é corrigi-la é uma visão reducionista.

A dor é mais complexa do que isso. Embora seja verdade que esses fatores possam desempenhar um papel e devam ser levados em conta, estamos analisando apenas o aspecto mecânico e os sintomas.

Concentrar-se demais neles e tentar corrigi-los por meio de exercícios "corretivos" pode fazer com que negligenciemos outros aspectos do treinamento que são mais importantes e que realmente terão um impacto positivo na saúde ou no desempenho.

Poderíamos dizer que dedicar tempo a esse tipo de exercício sob a premissa de corrigir aspectos como postura ou descompensação pode estar tirando tempo que poderíamos dedicar ao trabalho de outras capacidades que seriam mais importantes.

Dessa forma, não apenas estagnaremos na evolução de nossa lesão, mas também poderemos ver como nosso nível de "condicionamento físico"diminui com o tempo.

Os exercícios corretivos podem ter um lugar na arena esportiva, mas não podem substituir a função do trabalho de força ou o monitoramento de carga. Além disso, não está muito claro se isso realmente melhorará nosso desempenho ou dor, pois, como já dissemos, eles se baseiam em uma visão principalmente mecânica.

E, como dissemos no bloco anterior sobre técnica, cada pessoa terá estratégias motoras diferentes para cada movimento.

Nos casos em que detectamos uma incongruência nesse movimento, podemos incluir um trabalho específico para melhorá-lo. Pessoalmente, evito a palavra "corretivo", pois se presume que o paciente tenha um erro ou defeito e sua conotação é negativa (nocebo).

Do fisioterapia esportivaLevamos em conta todos os fatores que influenciam a dor e sobre os quais devemos agir de forma precisa.

Devo tomar medicamentos anti-inflamatórios?

Embora possam melhorar a dor no curto prazo, é improvável que resolvam qualquer problema e também atrapalham a recuperação do corpo.

A maior parte da dor não traumática que ocorre nos esportes é causada por uma carga excessiva sobre os tecidos e não envolve um processo inflamatório que exija medicamentos anti-inflamatórios.

Novamente, a recontagemA chave para a recuperação é descobrir as causas e trabalhar de acordo com elas.. Adaptar o treinamento e controlar as cargas até que a função e o condicionamento físico sejam restaurados.

tomar medicamentos anti-inflamatórios lesões
Tomar medicamentos anti-inflamatórios não cura lesões

Sabemos que o uso desses medicamentos também não melhora a "rigidez" e seu uso prolongado pode afetar o desenvolvimento muscular. Além disso, especialmente em lesões de tendões, eles têm um impacto negativo nos mecanismos de reparo dos tecidos.

Em geral, eu desaconselharia o uso desse tipo de medicamento, a menos que a dor seja causada por uma lesão com um componente inflamatório significativo que justifique seu uso.

Isso vai me machucar?

Embora essa ideia esteja bastante consolidada na sociedade e algumas pessoas até associem a dor à melhora ("se dói, cura"), acontece que esse não é o caso.

Não há razão para que seja essencial aplicar técnicas que sejam dolorosas ou que tenham a intenção de causar dor. Para se recuperar de uma lesão, você não precisa ser cutucado, cutucado, espremido, eletrocutado e assim por diante.

Por outro lado, é verdade que existem algumas técnicas invasivas, como agulhamento a seco, ou técnicas manuais que podem causar dor e que são frequentemente usadas de forma complementar com a intenção de melhorar os sintomas em curto prazo e de forma aguda.

Nesses casos, entra em jogo o julgamento clínico de cada fisioterapeuta, que, levando em conta o contexto e o risco/benefício, decide se deve ou não aplicar esse tipo de técnica. De qualquer forma, elas não podem se tornar a base do tratamento, nem devem receber mais importância do que realmente têm.

Além disso, há muitas outras técnicas de terapia manual que podem nos ajudar a reduzir os sintomas de forma mais agradável em curto prazo e que têm considerável apoio científico.

Sem esquecer dos exercícios, que se tornaram uma das ferramentas mais poderosas da fisioterapia para o tratamento de lesões e dores.

Portanto, não se preocupe em se machucar. Os segredos para uma boa recuperação, no que diz respeito aos fisioterapeutas, são uma boa raciocínio clínico (para descobrir a causa do problema e trabalhar com base nisso), educação do paciente (fornecendo as ferramentas e o conhecimento necessários para que vocês possam se autogerenciar) e exercício. Nenhuma dessas três coisas será prejudicial.

A partir daí, como fisioterapeutas, temos outras ferramentas que nos identificam, como a terapia manual que pode ser muito útil em determinados momentos ou, como já dissemos, técnicas invasivas (como o agulhamento a seco) que podem ser dolorosas, mas que só serão realizadas em determinados contextos e dependendo do critério do profissional, sendo dispensáveis.

Como pacientes, devemos ter claro que, para nos recuperarmos de nossas lesões ou dores, teremos de ser participantes ativos do mesmo processo. Encontrar um bom fisioterapeuta para nos orientar nesse caminho é essencial.

Uma vez esclarecidas as dúvidas mais frequentes...

O que você deve esperar de nós?

Para começar, somos os profissionais de saúde mais qualificados para tratar dores ou lesões do sistema neuromusculoesquelético e com mais ferramentas para fazer isso de forma conservadora e com bons resultados.

Levamos em conta todos os fatores que podem influenciar o desenvolvimento de dor ou lesão além dos aspectos puramente mecânicos ou dos exames de imagem.

Não tratamos patologias, Tratamos pessoas com problemas e estamos cientes disso. Qualquer lesão ou dor afetará, em maior ou menor grau, nosso nível de estresse, preocupação ou expectativas. A abordagem desses aspectos faz parte do tratamento.

Para chegar à origem do problema, contamos com o raciocínio clínicoIsso envolve um processo rigoroso de coleta e gerenciamento de informações, o que nos permite ser o mais precisos possível.

Nós o ajudaremos a se recuperar de sua lesão ou dor sem que você precise parar de se exercitar. De fato, entendemos a recuperação de uma lesão como "recuperação da lesão".treinamento na presença de dor".

Para esse fim, além das técnicas que podemos realizar na maca, também programamos exercício terapêutico com as regressões e progressões necessárias para progredir na lesão e conseguir gerar as mudanças de que precisamos em termos de força, mobilidade ou tolerância dos tecidos. Lo monitoramos com um controle de cargas de treinamento e diferentes parâmetros, como intensidade, volume, frequência ou dor.

Tudo isso é aplicado graças a uma avaliação completa e à coleta prévia de dados para saber onde e como devemos agir para obter as melhorias que desejamos.

Para lhe dar segurança ao treinar por conta própria, podemos lhe fornecer ferramentas para adaptar os exercícios por conta própria e saber até onde você pode ir.

Resolveremos suas dúvidas para que você possa ficar mais calmo e confiante no que está fazendo.

Além disso, estamos em contato com outros profissionais de saúde e atividade física que podem ser de grande ajuda em determinadas fases da recuperação (treinadores, nutricionistas, podólogos, psicólogos...).

Nossa intenção é que você possa se recuperar melhor, mais rapidamente e melhorar suas capacidades físicas para poder treinar ou competir novamente com as melhores condições possíveis. máxima garantia e confianças.

Por fim, lembre-se de que, como profissionais da saúde, contamos com as mais recentes evidências científicas, com a experiência clínica e estamos constantemente aprendendo a oferecer o melhor tratamento possível.

Se você ainda tiver dúvidas ou quiser discutir qualquer um desses tópicos com mais profundidade, deixe-as nos comentários.

Obrigado e até breve!